ACADEMIA BRASILEIRA DE COACHING E PNL

Blog

Crenças são um obstáculo ao desenvolvimento?

Blog

Crenças são um obstáculo

Crenças nos dicionários

As crenças são um obstáculo no desenvolvimento pessoal? No docionário Aurélio crença é: fé religiosa, confiança e opinião. No Oxford Dictionary também aparece uma definição bem simples “Crença é a aceitação de que algo existe ou é verdadeiro. Neste momento, no mundo, alguém está dando sua vida por uma crença. Na maioria das culturas, as pessoas são marginalizadas e estereotipadas por um sistemas de crenças comum a uma comunidade e também de seu próprio sistema de crenças.

A questão que vou explorar neste artigo é “as crenças são um obstáculo em termos de seu desenvolvimento pessoal?” Na PNL, a crença se estabelece como um filtro que determina nossa percepção. Uma crença é uma generalização onde você exclui exemplos de crenças diferentes da sua. Se um exemplo contrário a uma crença fortemente mantida surgir, a pessoa com a crença irá excluir a outra que excede a sua na experiência que você já tem. Muitas pessoas na PNL (Programação Neuro Linguística) criaram intervenções para trocar crenças antigas por outras mais empoderantes.

Agir como se…

O “agir como se” surgiu quando John Grinder e Richard Bandler começaram a modelar para criar a PNL. A parte chave da modelagem é suspender seus próprios filtros e “agir como se” você vivesse o modelo. Para fazer isso, os co-criadores da PNL suspenderam sua própria “identidade”. Inconscientemente assimilaram o mundo das pessoas que estavam modelando. Se, a qualquer momento, suas próprias crenças (Grinder e Bandler) se tornassem presentes, o processo de modelagem teria sido corrompido. Grinder e Bandler se tornaram comportamentais. Assim como as pessoas que estavam modelando para criar os modelos de PNL. Uma coisa que eu posso supor sobre John Grinder é que ele tem um incrível nível de flexibilidade e uma alta tolerância à ambiguidade.

A flexibilidade e a tolerância a ambiguidade são traços opostos a rigidez patrocinada por fortes crenças. A música ‘Imagine’, escrita por John Lennon, simboliza o “agir como se”. Lennon parece estar, em sua letra, convidando-nos a imaginar um mundo sem “crenças”. Ele nos convida a imaginar o que seria viver o momento com a seguinte linha “Imagine todas as pessoas vivendo hoje”. É uma música de protesto bem conhecida, convidando as pessoas a trocar as suas crenças pela paz.

O que John Lennon canta

A mim parece bem razoável, no entanto, é uma pena que muitos governantes não tenham ouvido sua mensagem. Um mundo sem crenças, nada para matar ou morrer, como diz Lennon, soa como um mundo diferente, um, em que muitas pessoas podem temer, mas poderia melhorar o desenvolvimento pessoal de todos. A paz que Lennon escreve e canta é sobre a paz no mundo e a sua própria paz interior. Você já sentiu como se você tivesse uma guerra pessoal dentro de sua mente? Para a maioria das pessoas, seus conflitos internos surgem de crenças conflitantes.

Estes conflitos surgem quando você está mantendo algo do passado ou várias coisas passadas e deseja fazer algo novo. De alguma forma você gostaria que o novo fosse tão forte quanto o passado. A resistência em seu sistema vem da polaridade dos opostos, e a sua mente inconsciente não está disposta (talvez por algum tipo de ganho) a abandonar o passado. E se a nova crença e a crença antiga fossem tão falsas quanto as outras, mas tivessem usos em determinados contextos? E se você pudesse escolher “agir como se”, uma crença fosse verdadeira dependendo do contexto? Por outro lado, você poderia agir como se a mesma crença fosse falsa dependendo do contexto. Em termos de desenvolvimento pessoal, o “agir como se” cria muitas outras opções. Isso cria flexibilidade e tolerância as ambiguidades, é perfeito para entrar no desconhecido e criar novas escolhas.

O processo das crenças

Na linguística, uma crença é uma nominalização, uma palavra que age como um substantivo (coisa), mas é construído por um (processo). Ex: Cabral descobriu o Brasil. O Brasil descoberto por Cabral já existia. Então, neste caso, “crença” é o substantivo e “acreditar” é o processo. Para que a crença se torne verdadeira é preciso existir o processo de acreditar. Quando você “acredita” em algo, para ser verdade, você está em um processo, isso não significa necessariamente que você vai acreditar sempre, isso significa que você acredita agora. Quando você diz que tem uma “crença”, você criou um substantivo e está agindo como se a crença fosse uma entidade.

É muito mais rígido do que o processo. Na realidade, uma crença não é uma coisa; não cabe em uma caixa. Você não pode tocar, não é real. Do ponto de vista do desenvolvimento pessoal, qual é o valor do investimento de se gastar energia em algo que não existe? Na melhor das hipóteses, uma crença é uma ilusão que cria outra ilusão para você poder acreditar. Mesmo que seja positiva, pode dificultar o seu desenvolvimento pessoal através da sua rigidez. Você poderia classificar categoricamente crenças em dois tipos, crenças em você (interno) e crenças sobre o mundo fora de você (externo).

A importância da ambiguidade

Algumas pessoas gostam de falar sobre suas crenças positivas e argumentam que essas crenças os ajudam em seu desenvolvimento pessoal. Até que isso pode parecer razoável, é possível e provável que qualquer crença positiva tenha bastante utilidade, mas em última instância, se tornará excessiva quando for forte demais, por que aí você perderá o ponto de ambiguidade, o ponto da imprecisão, o ponto em que a incerteza lhe favorece, o ponto onde pode acontecer uma atualização da crença. Atualização é essencial para o autodesenvolvimento. Para resumir, os aspectos-chave do autodesenvolvimento são a flexibilidade e a tolerância a imprecisão, a ambiguidade. As crenças fortes (positivas ou negativas) reforçam o conteúdo da crença e, portanto, não são geralmente favoráveis ​​à flexibilidade e a imprecisão.

Assim, em muitos casos, as crenças prejudicariam seu desenvolvimento pessoal. A crença na linguagem age como um substantivo, quando realmente não é. Você não pode tocá-la, ela não existe. Qual é o valor em acreditar em algo que na realidade não existe? Como falado anteriormente, podemos até criar conflitos internos desnecessários com essas crenças, o que afeta seriamente nosso desenvolvimento pessoal. Então, para concluir o processo de “agir como se”, se algo é verdadeiro parece muito mais engenhoso do que a rigidez de uma crença forte em termos de desenvolvimento pessoal. Então, quando você pensar em tudo o que deseja hoje, pergunte-se “como devo agir como se fosse hoje”? Por que amanhã poderá ser totalmente diferente, pois amanhã será futuro, e no futuro tudo poderá mudar. Portanto: Contextualize suas crenças. Coloque cada uma no contexto que lhe for mais favorável.

Compartilhar este artigo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preparamos você para ser um vencedor. Acredite – você é capaz de superar qualquer dificuldade para chegar onde desejar – vamos te dizer como.